quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Feliz 11111011010!!

Um bom ano novo a todos!! Feliz 11111011010!! E quem entendeu de prima é nerd... heuehuehue

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

2 problemas: RAM e MTU

Bem, depois de poucas e boas com a minha máquina descobri que um pente de memória RAM queimou e isso fez com que a máquina não iniciasse. Ligava o computador e nada, só passava a energia na fonte mas não chegava a mostrar nada na tela. Conforme umas buscas na net achei a dica de usar o memtest86+ (que pode ser baixado ou usado a partir de diversas distribuições linux que o incluem no cd de instalação da distribuição, no meu caso o Fedora 11 continha). Rodei o bicho e tirei o pente defeituoso. Tive que coçar o bolso novamente e pegar mais um pente igual. Um Kingston de 1GB 667MHz (pra fazer dual-channel).

Nem lembro se comentei por aqui, mas antes estava com problema para entrar em alguns sites e postar em alguns foruns. Bem, depois de pesquisar na net e testar várias coisas, descobri que o problema estava no tamanho da Unidade Máxima de Transmissão (em inglês, MTU) que estava configurado no meu roteador DLINK DI-524. O padrão é 1500, mas em alguns casos este valor tem que ser ajustado, o que aconteceu comigo. Segue abaixo artigo de Thadeu Camargo publicado no www.abusar.org sobre isso:

MTU

Se você não consegue acessar alguns sites

By Thadeu Camargo

Se vc tem uma conexão compartilhada de PPPo e /ou está usando o ICS para compartilhar a conexão é muito provável que o seu problema seja MTU.

MTU ( Maximum Trasmit Unit ou Unidade Máxima de Transmissão ) é um valor especificado para transmissão de pacotes. Nas conexões ADSL geralmente este valor por default é 1500, mas em algumas máquinas que utilizem o ICS pode ser necessário diminuir este valor. O melhor valor vc só vai descobrir através do comando ping. Vamos lá:

Na máquina cliente dê este comando:

tracert -d < um site qualquer, como por exemplo: www.tccamargo.com ou
www.ig.com.br >

Você verá algo mais ou menos assim na tela:

C:\>tracert -d www.tccamargo.com

Rastreando a rota para tccamargo.com [69.93.73.130]
com no máximo 30 saltos:

1 <1 ms <1 ms <1 ms 192.168.1.1
2 5 ms 6 ms 5 ms 10.10.5.1
3 9 ms 9 ms 8 ms 10.10.4.1
4 12 ms 17 ms 11 ms 192.168.70.11
5 12 ms 12 ms 11 ms 200.157.101.4
6 53 ms 36 ms 13 ms 200.184.226.145
7 18 ms 41 ms 31 ms 200.184.254.14
8 143 ms 162 ms 144 ms 144.228.40.153
9 230 ms 162 ms 148 ms 144.232.2.232
10 190 ms 213 ms 187 ms 144.232.19.141
11 199 ms 177 ms 198 ms 144.232.20.17
12 173 ms 180 ms 178 ms 144.232.29.97
13 198 ms 172 ms 187 ms 144.228.250.126
14 174 ms 176 ms 173 ms 12.96.160.22
15 174 ms 179 ms 192 ms 69.93.73.130

Rastreamento concluído.

Anote o primeiro IP que esteja fora de sua rede interna, que no nosso exemplo é o 200.157.101.4
Nota: Você tbm pode utilizar o comando ipconfig /all(2000/XP) ou winipcfg(9x/ME) na máquina servidora para saber qual e o IP externo dela. Será este o IP utilizado na nossa avaliação.

Agora utilize este comando:

ping -f -l 1500 200.157.101.4

Provavelmente vc vai receber este aviso:
"O Pacote precisa ser fragmentado, mas a desfragmentação está ativa"
ou
"Packet needs to be fragmented but DF set"

Agora vc sabe que este valor é muito alto para o pacote ser transmitido sem partilha, então vamos abaixar o valor até não recebermos mais este aviso.

Exemplo:

C:\>ping -f -l 1452 200.157.101.4

Disparando contra 200.157.101.4 com 1452 bytes de dados:

Resposta de 200.157.101.4: bytes=1452 tempo=47ms TTL=251
Resposta de 200.157.101.4: bytes=1452 tempo=48ms TTL=251
Resposta de 200.157.101.4: bytes=1452 tempo=101ms TTL=251
Resposta de 200.157.101.4: bytes=1452 tempo=48ms TTL=251

Estatísticas do Ping para 200.157.101.4:
Pacotes: Enviados = 4, Recebidos = 4, Perdidos = 0 (0% de perda),
Aproximar um número redondo de vezes em milissegundos:
Mínimo = 47ms, Máximo = 101ms, Média = 61ms

C:\>

Note que este valor é variável de máquina para máquina, então somente com o ping poderá se chegar num valor ótimo.

Sabendo se o valor da MTU para a máquina, que no no sso exemplo é 1452, teremos que mudá-la via registro. Mas existe um método mais fácil e extremamente simples: Utilizando o programa DrTCP vc muda a MTU em questão de segundos. Este programa é muito fácil de usar pode ser adquirido aqui:
http://www.dslreports.com/drtcp

Caso queira mudar via registro, use o comando localizar e utilize as palavras MaxMTU e IPMTU e mude o valor das respectivas chaves.

Lembrando que é sempre e altamente recomendável um backup de registro antes de fazer estas alterações e reiniciar o sistema após a efetivação das mudanças.

-=-=-=-=-=-=-=-=-

No meu caso não fiz a mudança como informado acima, apenas fui na área de gerenciamento do DI-524, aba HOME, menu WAN, item MTU. Depois disso é só salvar, reiniciar e pronto, só alegria.

sábado, 17 de outubro de 2009

Link pro DOU com o Edtial de Homologação da INFRAERO 2009

Bem, aos que querem ir direto na fonte:

DOU3 14/10/2009 - Página 21

Lá, basta ir passando a página até a número 46, ou mudar o link pra pagina=XX...

Lembrando que o zip com todas as páginas do resultado final em PDF está em: EDITAL-HOMOLOGACAO-INFRAERO-DOU-14-10-2009-PAGS-21-A-46.zip

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Edital de Homologação do Concurso da INFRAERO 14/10/2009 - Nível Superior

É isso aí, ontem saiu o resultado final do 2º Concurso da INFRAERO - Nível Superior.

Foi publicado no DOU3, páginas 21 a 46. Baixei as páginas em PDF e joguei num zip pra quem tiver interesse em fazer o download...

Segue o link: EDITAL-HOMOLOGACAO-INFRAERO-DOU-14-10-2009-PAGS-21-A-46.zip

Agora é aguardar por uma convocação. Boa sorte a todos.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Kernel Panic

Rodei o Zero Fill da SEAGATE, SeaTools for DOS, testei a instalação do rWindows novamente e... nada! Mesmos erros de instalação.

Tentei o Fedora 11 e nada tb... Aparentemente meu HD foi pro espaço. :(

invalid compressed format(err=1)
Kernel panic - not syncing: VFS: Unable to mount root fs on unknown-block(0,0)

Nem o Fedora 11 Live CD funciona...

Concurso INFRAERO

FCC: http://www.concursosfcc.com.br/concursos/infra109/index.html

Há boatos (Orkut) sobre boas notícias para os concursados a partir do dia 15/10... Será que sai a homologação final??

Para fazer buscas no Diário Oficial da União (DOU): http://www.in.gov.br/imprensa/pesquisa/pesquisaresultado.jsp

Aguardemos...

domingo, 11 de outubro de 2009

"Low-level" format / formatação "física"

Bem, depois de insucessos na instalação do rWindows, passo a desconfiar de bad blocks no meu HD... É um SEAGATE ST3250310AS Barracuda 250GB 7200.10 SATA.

Não é possível fazer a tal formatação física do HD como antigamente. O que se faz hoje em dia é a formatação lógica simulando uma formatação física, que nada mais é do que preencher com zeros todos os registros do HD, literalmente zerando todos os dados contidos nele. Esse processo "apaga" todos os dados do disco, sem deixar chances de recuperar algo. Bom pra fazer quando se vai vender o HD e não quer nenhum esperto tentando recuperar aqueles dados que só você pode ver... o_O

Além de zerar tudo, ele detecta bad blocks e os "substitui" por outros setores "reserva" em bom estado. No caso, acredito que seja a solução para os meus problemas.
Depois disso, tentarei trocar o leitor de CD/DVD e em caso de novo insucesso, tirar uma grana do bolso pra comprar um HD novo... :P

Então, para fazer esse trabalho no SEAGATE a recomendação é usar a ferramenta própria, a SEATOOLS for DOS, que cria CD/Disquete de boot e faz o que foi dito acima.

Segue, em inglês, o texto do link http://seagate.custkb.com/seagate/crm/selfservice/search.jsp?DocId=203931&NewLang=en&Hilite=format:

What does "low level formatting" a SATA or ATA (IDE) drive mean?

Actually the term "low level" is a bit of a misnomer. The low-level process first used years ago in MFM hard drives bears little resemblance to what we now call a "low-level format" for today's SATA and ATA (IDE) drives. The only safe method of initializing all the data on a Seagate device is the Zero Fill erase option in SeaTools for DOS. This is a simple process of writing all zeros (0's) to the entire hard disc drive.

Why would I want to Zero Fill my drive?

The most common reasons to Zero Fill a SATA or ATA (IDE) hard drive are:

* to remove a virus that cannot be removed without destroying the boot sector.
* to change from one operating system to another and wish to remove everything from the drive.
* to erase confidential information for privacy reasons.
* to scan for bad sectors that can be detected and replaced with good spare sectors when writing to the sectors.

By design, modern disc drives maintain spare sectors for reallocation purposes. Usually, sectors become difficult to read long before they become impossible to read. In this situation the actual data bytes in the sector are preserved and transferred to the new spare during a sector reallocation. Similarly, when a disc drive writes data (like a zero fill erase procedure) and encounters a problem, the drive firmware retires the problem sector and activates a replacement before giving successful write status.

How do I Zero Fill my drive?

* Zero Filling a SATA or ATA (IDE) drive destroys 100% of the data on the drive. Make sure the drive is completely backed up before proceeding.
* The Zero Fill erase option in SeaTools for DOS is the best method for use with Seagate hard drives. Some system BIOS may include a Low-Level Format option; these should be avoided, as they may produce undesirable results.

SeaTools for DOS can be downloaded from the SeaTools homepage. It includes three Erase (Zero Fill) options. Zero Fill writes zeros in each data sector for the complete capacity of the drive and cleans up most defects.

The download routine for SeaTools for DOS creates a bootable CD or floppy diskette. Boot from the CD media or diskette to start SeaTools for DOS. After startup, it is a good idea to test your drive. The Basic Short Test takes less than a minute to complete. The Basic Long Test can take several hours to complete, depending on the capacity of the drive. When you are ready to erase the drive

select the drive you want to erase. Then select one of the three zero fill Erase functions.

Erase Track ZERO: Erases just the first 63 sectors on the drive which takes less than a second to complete. This procedure removes the Master Boot Record (MBR) and Partition Table. This will cause the drive to look "empty" to a new installation of the operating system.

Timed Erase: Erases sectors for various time limits up to 5 minutes. These options will overwrite the sectors at the beginning of the drive where the majority of the static operating system files reside.

Full Erase: Erases every data sector on the drive and takes a long time to complete. This procedure can easily take several hours to complete. The advantage of this option is to discover and reallocate any defective (hard to read) sectors to good spares. This option comes closest in concept to the original idea of a low level format.

When the process completes, reboot the system from the operating system install CD and follow the instructions to prepare (partition and format) the drive and install the operating system.